Shop

Camiseta Não é Não



Notícias

  • avastar

    With her original new single ‘London London You Dont Know Me’ rapidly climbing the charts, Myrella Nascimento and her unique brand of well-honed Latin is rapidly becoming a musical success story thanks in large part to her impeccable melodic instincts.

     

    Like Latin? Many do, perhaps in yearning for a return to great musicianship and melody. Here is an artist that ably serves the sentiment. Originating from Sao Paolo, Brazil, Myrella Nascimento has quickly risen on the strength of her new award-winning single ‘London London You Dont Know Me’. Recently, the critics had this to say about her work: ‘To say this artist is proficient with the Latin pop idiom is not enough – listen to tracks like ‘Maracutu Atomico’ to witness the instrumental mayhem that issues when experts sidestep the cadence to conjure a watch-synchronized polyrhythmic intrigue.’ With her new single steadily climbing the charts, Myrella Nascimento seems destined for the global limelight. Reporter Lauren Thompson recently caught up with the talented artist to learn more about what inspires her to create her unique brand of Latin music and what we can expect from Myrella Nascimento in the near future.

    More: To read full interview

     

  • akademia

    EP SIM já é premiado em Los Angeles

     

    A empresa Akademia atua na área musical junto a uma vasta rede de estações de rádio, sindicatos de imprensa e outros sites de mídia dos Estados Unidos. A empresa localizada em Los Angeles tem por objetivo garimpar artistas desconhecidos e levá-los ao sucesso comercial.

    E foi nessa garimpada que encontraram o EP “SIM” de Myrella Nascimento, o EP foi premiado como melhor EP Latino no mês de maio de 2016. E eles ainda escreveram uma crítica elogiando principalmente a regravação da canção “Maracatu Atômico”, originalmente de Jorge Mautner e Nelson Jacobina. Segue a tradução do texto:

    “Dizer que essa artista é proficiente no idioma da música pop latina não é suficiente – escute faixas como ‘Maracatu Atômico’ para testemunhar o caos instrumental que surge quando quem faz boa música coloca a cadência para criar uma intriga poli rítmica sincronizada como um relógio”.


    Link da página: http://www.theakademia.com/may2016_bestep_latin5.html

  • FemSessionsLamp (1)

    Myrella Nascimento no Fem Sessions passa de 500 mil views no YouTube

     

    Abrindo a nova temporada do Fem Sessions, Myrella Nascimento faz um som ao vivo de sua canção “Minha Concessão” e, em pouco mais de três semanas, o vídeo passa de 500 mil visualizações no YouTube, sendo a mais assistida entre todas as participantes do projeto até hoje.

    Para quem não conhece o Fem Sessions, esta é a segunda temporada do programa que vai ao ar em canal próprio do YouTube. É uma parceria da cantora Luiza Possi com o Buscofem para dar voz a talentos femininos da música brasileira. O objetivo, além de comunicar a marca Buscofem, é exaltar o universo feminino, a força, a intensidade, o fascínio, a singularidade representada na sensibilidade existente em toda mulher.

    No vídeo, que foi publicado próximo ao dia das mulheres, Myrella apresenta um acústico de sua composição ao lado dos músicos Silvanny Rodrigues (percussão) e Flávio Salles (guitarra). O tema é o respeito à vontade feminina, muito bem apresentado nas palavras de Luiza Possi: “a sua concessão é pessoal e intransferível”.

    Confira o vídeo no link: http://bit.ly/MyrellaFemSessions

    VEJA MAIS!
  • Myrella-MinhaConcessao

    Myrella Nascimento lança “Minha Concessão”, primeiro single do EP “SIM” com estreia neste dia internacional da mulher.

     

    Neste 08 de março, a cantora e compositora Myrella Nascimento lança o primeiro single de seu novo EP “SIM”, a data de lançamento não é mera coincidência, a canção “Minha Concessão” fala sobre consentimento, sobre a vontade da mulher ser levada em consideração. Mais um motivo pela luta de muitas mulheres contra a cultura de abusos e estupros, mais uma luta do 8 de março, dia internacional da mulher.

    Nesta composição Myrella se inpirou no livro Yes means Yes”, (Sim significa Sim) das autoras norte-americanas Jaclyn Friedman e Jessica Valenti, que fala sobre uma nova forma de pensamento, onde o consenso é baseado no ‘sim’. Segundo as autoras “ A ausência de um Não é diferente da presença de um Sim. E até que a cultura norte americana (EUA) e a lei interpretem consenso como um ato proativo e entusiasticamente dado, não haverá justiça para as vítimas de estupro. Já é chegado o tempo para os EUA esquecer o modelo ‘Não significa Não’ para entender os abusos sexuais, e concentrar-se no ‘só Sim significa Sim´.” 

    Myrella também se inspirou em diversas notícias publicadas na mídia, onde mulheres sofreram abusos físicos ou morais apenas por serem mulheres. Ou por vestir uma roupa justa, uma saia, por terem pernas torneadas, por usarem um decote. Ou porque um homem se achou no direito de xingá-la ou até mesmo tocá-la. Enfim, os casos são infindáveis. 

    Ela como artista resolveu expressar tudo isto numa canção e escreveu “Minha ConcessãoOnde o refrão diz: quando digo não é não, nunca será talvez. E se digo sim o afirmativo é bom mas ele espera sua vez”.

    Com letra e música de Myrella Nascimento e arranjos de Eduardo Luke e Conrado Goys, a artista expressa a letra num ritmo funk pop, e martela este refrão muitas vezes segundo Myrella A ideia precisa ganhar força, e esta música é apenas um grão de areia numa série de iniciativas que devem ser tomadas”.

    Com produção de Manoel Barenbein e Myrella Nascimento, conheça em primeira mão, “Minha Concessão” através do link:http://bit.ly/MinhaConcessão

    VEJA MAIS!
  • Myrella com canção em rádio Australiana

     

    Myrella Nascimento, através de sua música , chegou ao outro lado do planeta, em Sydney, na Austrália. Seu primeiro single em inglês “Silver Rose”, uma versão adaptada da canção “Rosa Prata” do disco Faces, surpreendeu a dupla de apresentadores de uma das rádios mais populares de lá, a Northside FM 99,3. Eles ficaram encantados com a letra e musicalidade da canção, ainda mais composta por uma brasileira. Confira o comentário dos apresentadores logo após a canção ser executada no programa Soulscope apresentado por Georgina Reed e Peter March nas tardes de domingo australianas.

    Clique em “veja mais”, para conferir um resumo da jornada de Silver Rose, da gravação da canção nos EUA até chegar na rádio Australiana.

    VEJA MAIS!

Fãs

Envie sua mensagem para Myrella Nascimento






VÍDEOS

  • Un amor te regalé

  • Mash up Um blues pra você e Pode vir quente que eu estou fervendo

Agenda

  • 26
    JUNHO

    Manza Sushi Bar

    Rua Martim Francisco, 135 – São Caetano do Sul – 20h

  • 29
    JUNHO

    Show sim, a voz da mulher

    Quinto Pecado Café Bistrô – Rua Coronel Artur Godói, 12 – Vila Mariana 20h

  • 30
    JUNHO

    Evento Corporativo

    Moema – São Paulo – SP

Fotos

  • myrella4

  • Myrella 1

Biografia

Myrella_0273_OKDurante o ano de 2015 Myrella voltou ao estúdio para desta vez gravar o EP
intitulado “Sim”, com produção musical do renomado Manoel Barenbein (produtor do icônico disco “Tropicália ou Panis et Circenses”, de 1968). Este EP, com 5 canções, possui duas composições novas de Myrella: “Esse Medo” e “Minha Concessão”. Três covers com novos arranjos completam o trabalho.

 

A sonoridade do disco é urbana, é metrópole como São Paulo – nacional, internacional, inter-racial, uma capital de multiritmos. A capa do disco tem como fundo a avenida mais conhecida da cidade, a Av. Paulista, que é um “símbolo” de toda a miscelânea. Sobre esta base o trabalho foi moldado com “Maracatu atômico”, de Jorge Mautner e Nelson Jacobina, com toques nordestinos, “Ai, ai, ai, ai ai”, de Ivan Lins e Vitor Martins, um quê de latinidade, e “You don´t know me e London London”, ambas de Caetano Veloso, um mash up das duas canções, num estilo world music, gravado em língua inglesa.

 

Myrella, desde o álbum anterior “Faces” (2013), apresenta-se dentro de um sincretismo musical que não se enquadra numa única sonoridade. O nome “SIM” para o EP, pede emprestado um trocadilho neste “SINcretismo”, e profudamente quer abraçar toda a positividade, no sentido puro da palavra, visível nos braços abertos de Myrella, expandidos para todos os ouvintes.

 

Um pouco de história até aqui….
Myrella Nascimento nasceu em São Paulo, capital. Já traz em seu nome o som de três notas musicais: Mi – Re – La. Filha de um pernambucano com uma paranaense morou na Espanha, e desde criança, teve contato com a cultura árabe. Chegou a dar aulas de dança do ventre entre 16 e 18 anos. Essa mistura resultou nesse mix cultural, que ela como artista, traduz em acordes, canto, composições e arranjos musicais.

 

Suas influências nacionais circulam entre Elis Regina e Tom Jobim, Alceu Valença e Lenine,  Gilberto Gil e Marisa Monte. Já as internacionais contemplam Norah Jones,  Ray Charles, Shakira, Sting, Jorge Drexler, Violeta Parra. A cantora sempre procura imprimir o seu estilo em cada interpretação, deixando uma assinatura única que hoje é reconhecida internacionalmente.

 

Ela que é citada como a nova promessa da MPB já soma 21 países que tocam as suas músicas, só nos EUA são mais de 40 rádios, e tudo isso  foi conquistado com a chegada de seu segundo álbum “Faces”,  que em um ano de estreia percorreu rádios nos cinco continentes, inclusive, do outro lado do planeta, em Sydney, na Austrália, Myrella entrou para uma das rádios FM mais populares de lá, a 99,3 FM – Northside, e ocupou a 12ª posição entre os 20 álbuns mais tocados pela rádio em 2014. Essa popularidade rendeu uma versão em inglês de sua canção “Rosa Prata”, que virou “Silver Rose”, com participação de Gary Rottger ( Kiss, Cyndi Lauper, Frank Zappa), lançanda apenas digitalmente em setembro de 2014, e que ganhou elogios da dupla de apresentadores da rádio australiana.

 

As doze faixas de “Faces” destacam as várias vertentes de Myrella, são 11 composições próprias e a regravação do clássico composto por Dorival Caymmi: “Marina”, mas com um arranjo inédito, numa levada jazzística, escrito por ela. Gravado no famoso estúdio Mosh, em São Paulo, com produção musical de Kadu Fernandes, o disco foi finalizado no estúdio Elastic, em Miami (FL), nos Estados Unidos. A mixagem ficou por conta do engenheiro de som, Gustavo Celis que já ganhou oito prêmios Grammy.

Entre em contato